O Nova Post tem como objetivo trazer um jornalismo de qualidade a partir das coberturas e análises nas áreas de tecnologia cotidiana (smartphones, televisores, etc.), games (jogos para computador, videogames, mobile e e-sports, englobando também o universo feminino) e internet das coisas.
d

The Point Newsletter

Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error.

Follow Point

Begin typing your search above and press return to search. Press Esc to cancel.

Análise: Xperia XZ2, a Sony de cara nova

O Nova Post testou o Xperia XZ2. Com um visual renovado e especificações de ponta, a empresa japonesa traz um novo olhar à sua marca e ao mercado mobile.

A Sony tinha uma característica muito marcante em seus smartphones: bordas – muitas bordas. Como disse, tinha. Em 2018, a empresa japonesa chega ao mercado brasileiro com um visual renovado na sua linha premium com o Xperia XZ2. Nova pegada, novo formato de tela e também um novo posicionamento do sensor de impressão digital. O que a empresa traz “de sempre” são especificações de ponta e uma câmera potente. Durante um mês, o Nova Post testou o smartphone da Sony, cedido pela assessoria da empresa, e você confere as impressões sobre ele agora.

O futuro é de vidro, quase sem bordas e pesa

O Xperia XZ2 traz o que a Sony acredita ser o futuro dos seus smartphones. Com uma tela Full HD+ de 5,7 polegadas e leves bordas na parte frontal, este é o primeiro celular da empresa com o formato 18:9, igual ao iPhone X, Galaxy S9 e LG G7. A tela LCD do XZ2 traz cores vibrantes e, apesar de não ter uma definição de preto marcante como o OLED, a função HDR dá mais vida para as imagens de maneira geral.

O aparelho conta com todos os seus botões na lateral direita: volume, força e câmera. O mais interessante, para mim, está na parte de trás dele.

Com a traseira arredondada, o Xperia XZ2 tem uma pegada confortável, mas é um perigo em superfícies que tenham alguma inclinação. Por vezes tive que salvar o celular de uma possível queda em cima da bolsa, de uma mesa de faculdade ou de cadeiras. O smartphone conta com uma baita câmera principal, que não gera nenhuma protuberância, e abaixo dela o leitor de impressão digital.

Antes, a empresa apostava na lateral como o espaço ideal para manter o sensor de desbloqueio pela digital, mas isso mudou no XZ2. Assim como no modelo premium da Samsung, o meu dedo vai de encontro a câmera e depois ele busca o sensor um pouco mais abaixo – e mesmo depois de um mês eu continuo precisando de uma segunda tentativa para desbloquear o celular.

A primeira coisa que o usuário percebe ao pegar o Xperia XZ2 é que ele é bem pesado: 198 gramas, especificamente. Ao mesmo tempo que isso dá mais firmeza, demora um tempo para se acostumar, já que os demais smartphones costumam seguir o caminho contrário: ficarem mais finos e leves.

Processamento de ponta; atualização do Android na hora

O Xperia XZ2 conta com o processador Snapdragon 845, 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento interno. Em outras palavras, o celular da Sony vem com as especificações ideais para quem busca um smartphone potente, que não trava e com espaço suficiente para guardar fotos, vídeos e diversos aplicativos.

Seja no Pokémon GO, Alto’s Adventure, Facebook ou alternando entre apps, o Xperia XZ2 não engasga e tem uma navegação muito fluida. Os 4 GB de RAM são mais do que suficientes, assim como os 64 GB de armazenamento. Se o usuário precisar de mais espaço, o celular aceita mais 400 GB em microSD.

Um ponto que chama atenção no aparelho é a rapidez que a Sony entrega novas atualizações. Este smartphone é um dos poucos que já é possível testar o tão aguardado Android P, anunciado na Google I/O.

O XZ2 já vem de fábrica com o Android Oreo, mas confesso que a customização da Sony não me agrada, deixando os aplicativos com uma cara muito “sóbria” e não atrativa. O XZ2 não vem com diversos apps extras pré-instalados e, na verdade, conta com algumas soluções interessantes, como um app para transferir os dados de um smartphone antigo, outro de dúvidas sobre o sistema ou até mesmo do PlayStation.

Como a interface não me agradou, confesso que fui buscar outro launcher – e esse é um ponto positivo do Android, que permite deixar o celular com a cara que você achar melhor. É importante notar que a Sony usa as soluções do Google, como o Drive, Fotos, etc, e caso a empresa americana tenha deixado algum app de fora, a Sony tem uma aplicação na mão.

Bateria para um dia inteiro

O Xperia XZ2 vem com 3.180 mAh de bateria, o que dá um dia de bateria tranquilamente para um usuário mais hardcore. O aparelho aceita carregamento rápido, mas é preciso comprar um carregador com essa tecnologia a parte, assim como acontece com a Apple nos iPhones 8 e X.

A traseira de vidro do Xperia vai além de deixá-lo atraente e permite que o celular seja compatível com o carregamento wireless. O “problema” é que pelo celular ser arredondado atrás, é preciso tomar cuidado com o tipo de carregador wireless que você usa, podendo fazer o XZ2 escorregar da superfície.

O Xperia XZ2 não é o smartphone com a maior bateria, mas ele está à frente dos iPhones e também do Galaxy S9 neste quesito.

Tirar fotos é muito importante no Xperia XZ2

Eu não sou o fotógrafo número 1 do mundo, longe disso, mas confesso que o Xperia XZ2 me fez ter mais vontade de tirar o celular do bolso para capturar uma imagem. Com uma câmera de 19 MP, as fotos saem bem nítidas, mesmo à noite, e com uma riqueza de detalhes. Ele conta com autofoco, estabilização digital e flash LED, o que traz um balanço de branco melhor em fotos tiradas com flash.

Por conter apenas uma câmera, o “Modo Retrato” fica para os usuários mais profissionais, já que é necessário usar o modo manual. Até existe uma aplicação da câmera para fazer o efeito bokeh, mas ela não funciona direito. A função, na verdade, precisava ser atualizada ou retirada dos serviços extras. Ela está escondida junto dos “Efeitos criativos”, “Efeito RA” e “Foto com Som”.

O botão dedicado para a câmera na lateral direita é um toque muito único da Sony, trazendo uma experiência “nostálgica” de clicar ao fazer uma foto. Em relação a vídeos, é possível gravar em 4K a 60 quadros por segundo e a Sony conta com Slow Motion em 960 quadros por segundo, mas presta atenção: a gravação é em Full HD. Do outro lado, a Samsung usa o Slow Motion como destaque no S9, mas o deles é apenas em HD. Ou seja… cadê o marketing, Sony?

Agora, enquanto a câmera principal faz fotos incríveis, a frontal já não é tudo isso. Com 5 MP, faltou um pouco de amor da Sony. Não é que as fotos sejam ruins, mas a chance de aparecer alguns pixels quando o usuário não está em um ambiente bem iluminado é maior. O que me agrada é angulação aberta da lente que permite capturar mais informação da foto. Veja alguns dos cliques que eu fiz abaixo:

Áudio estéreo e Vibração Dinâmica para filmes e músicas

Um ponto bastante positivo do XZ2 é a qualidade do áudio. O som estéreo sai da partes de cima e de baixo do smartphone, sem qualquer distorção e com um volume nunca visto em outro aparelho da marca

A Sony investiu bastante neste quesito, uma vez que o XZ Premium tem um som estéreo bacana, mas baixo, e o XZ2 tem um som estéreo e alto. Uma função que vem “de brinde” é a Vibração Dinâmica, que funciona em aplicativos como o YouTube, Spotify ou basicamente qualquer conteúdo de áudio ou vídeo.

A intenção dela é dar um “boom” nas batidas, trazendo uma experiência mais imersiva no conteúdo que você tiver vendo/ouvindo. Na realidade, se você deixar o celular em uma mesa, vai parecer que alguém está te ligando. Na sua mão, a Vibração Dinâmica faz mais sentido, dando uma experiência ligeiramente imersiva, porém é preciso regular a função com a altura do som.

Em outras palavras, a Sony teve uma boa sacada, mas que não convence e é melhor deixá-la desligada depois de uma testada ou outra.

Considerações finais e… cadê o reconhecimento facial?

O Xperia XZ2 é um smartphone premium completo: design moderno, processamento de última geração, câmera principal das boas e preço de top de linha: R$ 3.799. Porém algumas falhas dele podem fazer o usuário esperar pelo Xperia XZ2 Premium.

Por exemplo, ao passar o leitor de impressão digital para a parte de trás, as fabricantes costumam trazer o sensor de reconhecimento facial, mas a Sony “esqueceu” dessa tecnologia mandatória nos smartphones top de linha de 2018. Não me leve a mal, não é como se eu fosse te recomendar o leitor de face da Samsung ou da LG, mas o Face ID, da Apple, está aí para mostrar como o reconhecimento facial pode ser prático e muito mais seguro que o dedo.

Outro ponto negativo é a câmera de selfie, que poderia ter 8 MP. O preço, que a Sony firmemente mantém, também pode ser um empecilho para os consumidores, que conseguem opções similares, ou ligeiramente com mais funções, por um preço menor.

Mesmo assim, o XZ2 tem o seu valor, já que ele é a primeira onda do novo design da empresa japonesa. Para o usuário que não se comover com todas as suas funções, uma opção é esperar pelo XZ2 Premium, que deve contar com uma tela LCD 4K, mais RAM, câmeras principais duplas e uma câmera de selfie melhor. Enquanto ele não é oficialmente lançado, é o XZ2 que temos – e ele é muito bom.

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, é editor de internet do Jornal da Globo e escreve sobre tecnologia e games.