O Nova Post tem como objetivo trazer um jornalismo de qualidade a partir das coberturas e análises nas áreas de tecnologia cotidiana (smartphones, televisores, etc.), games (jogos para computador, videogames, mobile e e-sports, englobando também o universo feminino) e internet das coisas.
d

The Point Newsletter

Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error.

Follow Point

Escreva sua busca acima e pressione enter para buscar. Pressione Esc para cancelar.

Análise: Motorola Moto G7 Power

O Nova Post passou as últimas semanas testando o Moto G7 Power.

OMoto G7 Power está na nova geração de smartphones intermediários da Motorola. O “Power” já aponta que a principal funcionalidade do aparelho é a potente bateria de 5.000 mAH que promete grande autonomia para quem não gosta de celulares que descarregam rápido.

O Nova Post passou as últimas semanas testando testando o Moto G7 Power. Com um preço indicado de R$ 1.299,00, confira a nossa análise do aparelho.
.

Design

Apesar da sua bateria generosa, o Moto G7 Power tem dimensões de 159.4 x 76 x 9.3 mm e pesa 193 gramas. Embora a espessura o torne um celular grande, isso não quer dizer que não dê para pegar nas mãos confortavelmente, pelo contrário, ele se encaixa perfeitamente e com firmeza nas mãos. Ainda na parte traseira, ela é feita de um material plástico brilhante que não deixa marcas de dedos e também não desliza facilmente na mão. Gostei bastante também de não ter uma protuberância na câmera, o que os modelos anteriores possuíam e não caia nada bem no design dos celulares.

Já a superfície traseira poderia ser mais rígida, ela é bem fina e causa sensação de fragilidade. Uma possibilidade é que ela foi feita assim para compensar um pouco o peso do dispositivo (193 gramas).

As laterais do modelo foram bem aproveitadas: na lateral direita possui os botões de volume e liga / desliga; na lateral esquerda à gaveta de chips, podendo colocar dois SIM cards mais um micro SD de até 256 GB; na parte superior a entrada para fones; e na parte inferir a entrada USB-C.

De forma geral, o design do evoluiu bastante em relação à geração anterior. Eu considero o Moto G7 Power um smartphone bonito. Acabei não gostando na parte da frente do aparelho, na parte que sobra abaixo, o logo da Motorola, o que não deixou uma tela harmônica. Talvez deveriam repensar em usar todo o espaço da tela, já que na parte traseira possui o logo da marca.

Tela e som

O Moto G7 Power possui uma tela IPS LCD de 6,2 polegadas e uma resolução HD+ (720 x 1520 pixels), o que reduz a definição da imagem em comparação dos outros modelos mais caros da marca, porém não dá para perceber por conta do display reduzido. A densidade fica em torno de 270 ppi. Fiquei preocupado em relação a resolução, porém no uso diário, não atrapalhou na experiência, ou seja, não deu para perceber pixels ou deficiências na definição.

A qualidade do som é razoável, não possui tanta distorção no volume máximo, dando para aproveitar os graves e agudos – lembrando que é um intermediário. Testei com o Tidal, aplicativo de streaming música com reprodução em alta qualidade, e funcionou bem.

Software e recursos

Em relação ao visual do Android, a Motorola realizou poucas modificações, com um Android 9 Pie que é parecido com outros smartphones que possuem o Android Pie.

Há recursos extras, como o Moto Tela que exibe relógio e prévias de notificações na tela de bloqueio, além dos gestos da motorola, com atalhos para lanterna e câmera. Diferentemente de outros modelos que são mais caros, o Moto G7 Power não possui o Moto Voz.

Uma das funções diferenciais que mais gostei são o da TV Digital, que pode ser vista em HD, além de gravar o que mais interessa e depois reassistir.

Câmeras

O Moto G7 Power possui uma câmera de 12 megapixels e abertura f/20 na traseira. As fotos saem boas, não chegam a impressionar, porém não são ruins. A definição é interessante em locais com boa iluminação, já com baixa luminosidade, deixa a desejar. As cores são boas e podem, em alguns momento, saturar um pouquinho do ponto, principalmente no modo HDR ativado.

A câmera do Moto G7 Power em cenas noturnas é mais complicada. Para conseguir fazer uma boa foto é preciso algumas tentativas, pois aí os ruídos ficam mais evidentes e acaba ficando mais tremida as fotos. Para câmera traseira, existe o modo retrato, com desfoque do fundo feito via software. Com isso, algumas partes podem ficar desfocadas. É necessário realizar algumas tentativas até que não fique com erro. Abaixo duas fotos do mesmo local, uma de manhã e outra de noite.

Já a frontal possui 8 megapixels e abertura f/2,2, a câmera registra boas selfies, com cores vivas e nitidez. Senti falta de um flash na câmera frontal que não tem. Veja uma foto com a câmera frontal.

Bateria

A bateria de 5000 mAh é muita bateria e impressiona. É difícil encontrar um aparelho que possua toda essa capacidade de energia. O aparelho suporta até 55 horas com uma carga completa. Nos testes que realizei com uso de jogos pesados, Netflix e redes sociais, o aparelho aguentou 55 horas. Se usar apenas redes sociais e programas mais leves, o Moto G7 Power pode ultrapassar 55 horas longe da tomada.

Para carregar o Moto G7 Power demora um pouco ou mais precisamente por volta de duas horas e meia. O bom é que o smartphone vem com um carregador rápido. De toda maneira, ter um aparelho que dure tanto sem precisar de tomada, uma carga longa faz sentido. Em relação a bateria, o Moto G7 Power não deixa você na mão.

Desempenho

Com uma configuração intermediária, o smartphone chega com um processador octa-core Snapdragon 632 com GPU Adreno 506 e 3 GB de RAM, além de 32 GB para armazenamento de dados.

Testei o smartphone com o Need For Speed No Limits e o desempenho foi bom, sem nenhum travamento. Deixei as configurações gráficas em automático e fluiu bem. Com a TV Digital rodando e outros planos com redes sociais, alternei e não ocorreu nenhum “engasgo” nos testes.

Conclusão

O Moto G7 Plus Power, o intermediário da Motorola, é uma ótima opção para que não quer um celular que deixe na mão no dia a dia. A tela é um painel IPS e traz boa qualidade. Outro ponto positivo é o hardware que teve um desempenho bom nos testes e para uso com tarefas diárias cotidianas. .

A câmera traseira do smartphone é boa, não é fora do normal. Com boa luminosidade é possível registrar boas fotos, porém com baixa luz, aí o celular pode deixar na mão. Esse é um ponto negativo que não me agradou. Além disso, a câmera frontal poderia ter flash.

Independente dos pontos negativos, o Moto G7 Power é um smartphone que tem um excelente custo-benefício. Ele já pode ser encontrado em algumas lojas por R$ 1.000,00 à vista. Se você quer um aparelho com boa bateria, o Moto G7 Power é a melhor pedida.

Jornalista formado pela Universidade Mogi das Cruzes, trabalha há 8 anos no mercado de tecnologia. Atualmente é PR no Grupo ZAP.