Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

Nova Post
amazon-prime-nova-post

Tecnologia

Amazon Prime fica mais caro no Brasil, mas ainda é possível garantir desconto

O Amazon Prime vai ficar mais caro no Brasil a partir de maio. Ainda assim, é possível economizar na assinatura nos próximos dias.

O pacotão de serviços da Amazon, o Amazon Prime, vai ganhar o primeiro reajuste desde que foi anunciado no Brasil em 2019. A partir do dia 20 de maio, a assinatura mensal passará de R$ 9,90 para R$ 14,90. O plano anual, que oferece um desconto, sai de R$ 89 para R$ 119.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, para os atuais assinantes, o valor somente será reajustado no dia 24 de junho, na data de renovação de assinatura. Portanto, para garantir por um pouco mais de tempo um valor mais em conta, o usuário pode contratar até o dia 19 de maio o plano anual por R$ 89.

Nos Estados Unidos, a empresa de Jeff Bezos também reajustou a mensalidade do Amazon Prime, saltando de US$ 12,99 para US$ 14,99 ou no plano anual de US$ 119 para US$ 139.

É importante notar que o Amazon Prime não funciona apenas para o Prime Vídeo, mas para entregas com frete gratuito e um catálogo de livros e música online também – mais ou menos como se fosse uma versão do Apple One, o pacote de serviços da Apple.

Esse aumento de preços vem em um momento em que outros competidores também reajustam os seus valores, como é o caso da Netflix neste ano e do Spotify em 2021. Com a alta do dólar colada no discurso de trazer conteúdos exclusivos, as grandes empresas aumentam o valor de suas assinaturas na promessa de um catálogo ainda mais variado.

Porém, diferente da Netflix e do Spotify, a Amazon entrega uma gama de serviços por um valor bem abaixo do mercado, portanto, o consumidor final não deve sentir que está pagando mais para receber menos.

Leia também:

Tecnologia

Nesta quarta-feira (10), a Samsung anunciou durante o seu Unpacked em Paris os novos Galaxy Z Flip 6, Z Fold 6 e muitos outros...

Apple

Para aumentar a sua base, a Apple promove uma nova campanha de privacidade para que seus usuários escolham o Safari como navegador principal.