O Nova Post tem como objetivo trazer um jornalismo de qualidade a partir das coberturas e análises nas áreas de tecnologia cotidiana (smartphones, televisores, etc.), games (jogos para computador, videogames, mobile e e-sports, englobando também o universo feminino) e internet das coisas.
d

The Point Newsletter

Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error.

Follow Point

Escreva sua busca acima e pressione enter para buscar. Pressione Esc para cancelar.

Análise: Apple TV 4K, a verdadeira experiência smart

Com a popularização das Smart TVs, vale a pena investir no set-up box da Apple? E, principalmente, no modelo 4K? Confira a análise.

A Apple TV é uma das soluções mais interessantes da empresa de Cupertino, que muito foi rumorado que criaria um aparelho televisivo próprio. Não foi o que aconteceu, mas, sim, a Apple investiu cada vez mais na sua set-up box que em 2017 chegou à quinta versão com suporte a 4K, Siri em português com o tvOS 11.3 e mais poder de processamento do que nunca.

A grande questão é: mesmo com uma Smart TV, vale a pena investir em uma Apple TV e qual o melhor modelo de escolha: a de quarta geração sem 4K ou a de quinta geração com 4K?

Qual o papel da Apple TV na era smart?

Se há alguns anos o jeito era espetar o computador na TV para ver Netflix, a Apple trouxe uma solução para deixar a sua televisão inteligente e ainda tornar a sua experiência com conteúdos audiovisuais mais prática.

Em 2018, onde as pessoas já estão investindo em televisões inteligentes, com sistema operacional próprio, aplicativos e acesso à internet, qual é o motivo para pagar “novamente” por um aparelho que recriaria a experiência smart da TV? Bem, a experiência.

Atualmente, estes são os sistemas operacionais mais usados de TV: webOS, da LG, Tizen, da Samsung, e Android TV, do Google e que está presente nas TVs da Sony e da Philips.

Enquanto o Android TV parece bem atrás das outras duas concorrentes, a LG e a Samsung têm feito um bom trabalho com uma experiência fluida, prática e já integrada, mas, se você é dono de um iPhone, assina o Apple Music e o usa o iCloud, é aí que vem a melhor opção: a Apple TV.

Existem mais motivos para você escolher a Apple TV, mas basicamente o primeiro ponto é: se a sua experiência é focado na Apple, considere levar o ecossistema também para a TV, por mais inteligente que ela já seja.

Imagem, som e processamento

A Apple TV 4K está preparada para o que há de melhor em qualidade de imagem. Com suporte à tecnologia 4K e mais importante HDR, a imagem é sempre com mais cor, vida e detalhes mais nítidos – claro, desde que a sua televisão tenha suporte também a essas tecnologias.

Na qualidade de áudio, há suporte para Dolby Digital 5.1 e som Surround com Dolby Digital Plus 7.1. No entanto, a Apple TV (ainda) não traz suporte ao Dolby Atmos, que seria o próximo grande passo na qualidade de áudio.

Para aproveitar tudo isso, como já foi dito, é preciso que a sua TV previamente tenha suporte a essas tecnologias, mas mais importante, é preciso comprar um cabo HDMI com suporte à resolução UHD. A Apple, claro, recomenda o da Belkin vendido na própria loja.

Outro ponto que diferencia a Apple TV 4K da sua antecessora é o processador A10X Fusion. Em comparação, é como colocar o iPad Pro de segunda geração

contra o iPhone 6. No entanto, como nenhum dos processadores precisa se preocupar com a bateria do aparelho acabar, eles são levados ao máximo de potência, tornando a experiência com o A10X extremamente fluida.

Com o tempo, isso significa que a sua Smart TV vai envelhecer e tornar a experiência de abrir a Netflix, YouTube, apps e jogos mais dificultosa, enquanto a Apple TV 4K terá uma bela sobrevida e não passará por esses problemas.

Ponto de escolha: tvOS e os aplicativos

O motivo de comprar uma Apple TV está na experiência com o sistema operacional, o tvOS, e também com a biblioteca de aplicativos da Apple. Enquanto você pode encontrar certos apps na LG que você não encontrará na Samsung ou no Android TV (e vice-versa), a maioria dos aplicativos já está na Apple TV, como o Facebook Vídeos, o Crunchyroll ou mesmo o Pokémon TV. E eu já falei que a Apple trouxe um Modo Escuro para a set-up box?

Uma coisa interessante da Apple TV de quarta geração é que em seu anúncio, a Apple realmente apostou no ponto “jogos”. Dois anos depois, sabemos que esse não é mais o foco da set-up box, mas isso não significa que você não poderá aproveitar bons apps do seu smartphone nele, como Crossy Road ou as aventura de Alto em Adventure e Odyssey. E, claro, se você já pagou pelo jogo no iPhone, ele estará disponível na TV também.

iTunes Store

Toda vez que uma análise de TV 4K é publicada, um ponto importante sempre é: há conteúdos o suficiente em Ultra HD? Bem, com a Apple TV você tem uma certeza: há um acervo bem interessante na iTunes Store de séries e filmes em 4K HDR.

Nesse sentido, a Apple foi além: quando houve o upgrade dos conteúdos em HD para 4K e HDR, ao invés de cobrar a mais, a empresa deu esse upgrade aos usuários que já haviam comprado filmes e séries que suportassem essas tecnologias.

Para os novos, eles seguem com os mesmos preços de antes, o que é uma vantagem e tanto, já que você pode ter uma qualidade de imagem superior pagando o mesmo preço.

Siri

Comece pedindo para a Siri: “encontre filmes em 4K HDR” e veja o que já há no acervo. Com o tvOS 11.3 a Apple finalmente liberou a assistente pessoal para o português.

Agora, já é possível ter total acesso ao controle da Apple TV e pedir para a Siri voltar 30 segundos da série ao dizer “O que foi que ela falou?”, colocar uma música para tocar ou assistir ao último episódio da novela do momento. Junto com a Siri, o novo tvOS trouxe outra novidade para os brasileiros.

TV App

O Apple TV App está disponível na Apple TV, no iPhone e também no iPad. Basicamente, ele faz o que as operadoras de TV a cabo deveriam fazer: juntar tudo o que você assiste em um único espaço e de maneira simples.

É claro, você ainda precisa baixar o app da HBO GO, do Prime Video, GloboPlay e etc. Mas e se você pudesse ter todo esse conteúdo em um único lugar?

O TV App ainda é limitado a esses aplicativos, o Mubi e a própria iTunes Store, já que a Apple precisaria fechar acordos com os apps de esporte, Fox, entre outros “Play” e “Go”. Outro ponto é: se o usuário não for assinante desses aplicativos, também a experiência não vai ser das melhores.

Aqui, falo de uma maneira mais utópica, já que as minhas únicas assinaturas não está no app, que são a Netflix e o Crunchyroll, mas pensando que você assina todos esses conteúdos, é possível, em uma interface simples, encontrar o que ver, ficar de olho em lançamentos e últimos episódios da sua série e: eu já disse que a primeira temporada do Carpool Karaoke está gratuita no app? Pois é.

A tecnologia já está disponível, mas ao meu ponto de vista ainda faltam alguns acertos para essa experiência realmente ficar boa no Brasil.

Controle remoto: quando menos é mais

Outro ponto que é necessário comentar é o Controle Remoto da Apple TV. Da terceira para a quarta geração ele recebeu um belo upgrade: além de ser recarregavel via cabo Lightning, o controle ganhou um visual elegante na cor preta e com vidro, enquanto a parte de baixo continuou de alumínio.

Da quarta para a quinta geração a Apple fez uma pequena alteração, trazendo um círculo branco para o botão do “MENU”, o que ajuda na hora de saber se o controle esta na posição correta.

Apesar de ser simples de usar, nem sempre você vai conseguir acertar a mão nele de primeira – apesar do círculo branco ajudar.

Aqui não há mistério e isso é tudo o que você precisa saber sobre ele:

  • MENU: para voltar uma página ou à tela inicial;
  • TV: para abrir o Apple TV app;
  • Microfone: para ativar a Siri – segure para falar;
  • Volume: aumentar e diminuir o som;
  • Play/Pause: tocar ou pausar um conteúdo.

Dica: cuidado com crianças e animais de estimação, pois como parte do controle é de vidro, você não vai gostar de ver o que pode acontecer com ele ao cair de uma estante ou mesa para o chão.

AirPlay: funciona quando funciona

Junto do Apple Music e do iCloud, essa é uma das melhores funcionalidades da Apple TV: a possibilidade de espelhar conteúdos do seu Mac, iPad ou iPhone. Quer dizer, seria se o AirPlay não falhasse tanto.

É engraçado, para dizer o mínimo, pois é uma tecnologia de lua. Estou testando a Apple TV 4K há dois meses e no último mês e meio o AirPlay custava para funcionar: ou o vídeo não reproduzia ou o espelhamento de tela não funcionava corretamente – e isso não acontecia só comigo ou só no modelo 4K.

Nessa última semana, o AirPlay tem funcionado como deveria: selecionar pelo iPhone onde você quer reproduzir o conteúdo e já começar a assistir.

Então de qualquer maneira fica o aviso: o AirPlay é uma das coisas mais bacanas da Apple TV, mas nem sempre ele vai funcionar como você gostaria – e aí vai ser uma série de reinicia a TV, reinicia o iPhone para ver se vai.

Apple TV 4K: vale a pena?

Vale a pena comprar uma Apple TV mesmo com uma Smart TV? Sim, seja pela experiência com os aplicativos, com os filmes e séries em 4K HDR e pelo conjunto da obra no ecossistema Apple.

Disponível nas versões de 32 GB e 64 GB, a minha dica é optar pelo modelo de entrada, já que é praticamente impossível lotar a memória da set-up box, pois as músicas do Apple Music não ficam armazenadas nela, assim como filmes, séries e fotos.

Basicamente, seria preciso encher a maioria da memória com aplicativos para que você pudesse ter algum problema na hora de baixar um filme para ver depois.

A longo prazo, a escolha ideal seria a Apple TV 4K. Conte isso como um investimento futuro, pois o 4K veio para ficar e o processador A10X Fusion é um grande avanço em relação ao A8, mesmo que no momento a sua televisão não tenha suporte ao UHD.

A Apple TV 4K está disponível por R$ 1.299 no modelo de 32 GB e R$ 1.399 no modelo de 64 GB.

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, é editor de internet do Jornal da Globo e escreve sobre tecnologia e games.