Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

Nova Post
novo logotipo limewire

Tecnologia

LimeWire anuncia retorno como loja de NFTs focada em músicas

Popular nos anos 2000 pelo compartilhamento de músicas e álbuns pirateados, LimeWire quer se reinventar com a ajuda dos tokens não-fungíveis.

Antes do auge dos streamings, nos anos 2000, o LimeWire era um serviço de bastante popularidade no Brasil. À época, seu principal uso era o compartilhamento de arquivos por protocolo P2P – o que quase sempre, bem como no caso do próprio, era sinônimo de músicas e álbuns pirateados.

Apesar de ter encerrado suas operações após um processo milionário por infringência de direitos autorais em 2010, o LimeWire voltou às manchetes na última quarta (9), e a razão disso não poderia ser mais atual: dois empreendedores da Áustria compraram os direitos da marca e, agora, pretendem ressuscitá-la como um mercado de NFTs.

Segundo a Bloomberg, Paul e Julian Zehetmayr, que são irmãos, passaram o último ano adquirindo diversas partes da antiga empresa. Agora, sem qualquer vínculo com o time original do LimeWire, ambos pretendem relançá-la em maio, oferecendo a músicos e fãs uma nova forma de gerar valor para o mercado musical.

Na prática, a ideia é comercializar NFTs relacionados à música, como faixas e álbuns exclusivos, artes de capa e conteúdos de backstage – clipes de making-of e samples de estúdio, por exemplo.

Para a Bloomberg, Paul e Julian revelaram que escolheram a marca LimeWire devido à conexão que ela possui com o imaginário da música:

“É um nome bastante icônico. Mesmo se você olhar hoje no Twitter, ainda há centenas de pessoas sendo nostálgicas sobre o nome. Todo mundo o conecta à música e nós estamos começando com vendas focadas em músicas, então a marca foi o encaixe perfeito pra isso.”

NFTs do LimeWire serão comercializados também em dólares

novo-logotipo-limewire
(Imagem: LimeWire)

“LimeWire está de volta para trazer colecionáveis digitais para todo mundo”, diz a arte de divulgação que também ostenta o novo logotipo do serviço

Além de apostar primeiro nas músicas, a fim de se diferenciar dos demais mercados de NFTs, o novo LimeWire trará outra característica interessante: ao contrário dos rivais, que só transacionam os tokens por criptomoedas, o serviço também deve oferecer pagamentos em dólares americanos.

O objetivo, naturalmente, é tornar a plataforma mais acessível para o público em geral, que ainda não tem intimidade com cripto. Para aqueles que têm, no entanto, a plataforma também contará com carteiras Bitcoin e Ether, além de outros serviços envolvendo os próprios tokens.

Por fim, conforme também relata a publicação da Bloomberg, não deixa de ser curioso que um serviço amplamente conhecido por seu vínculo à pirataria, em alguns meses, passará a operar uma indústria inteiramente vinculada à integridade e autenticidade de conteúdos digitais.

Apesar da aparente incongruência, os irmãos demonstram confiança sobre a capacidade de reverter esse aspecto negativo do legado do LimeWire. Para eles, toda a controvérsia envolvendo pirataria foi superada publicamente, tendo sobrado apenas a “nostalgia” que justifica a escolha pela marca.

Além disso, a fim de evitar qualquer imbróglio legal no futuro, a nova empresa incorporou duras medidas de compliance, chegando a contratar a Enst & Young, uma das maiores empresas de auditoria do mundo, para assegurar a conformidade de suas operações.  

Relacionado:

Leia também:

Apple

A Apple deve apresentar durante a WWDC 2024 as novidades dos seus futuros sistemas operacionais – iOS 18, iPadOS 18, macOS 15, watchOS 11,...

Apple

O iPad Pro M4 traz ainda mais novidades do que aquelas anunciadas pela Apple. Confira outros recursos e segredos deste tablet.

Apple

The Miseducation of Lauryn Hill é considerado o maior álbum de todos os tempos pelos curadores do Apple Music. Confira o top 10.

Apple

Os novos iPads da Apple começam a partir de R$ 6.999. Confira as novidades do iPad Pro M4, iPad Air M2 e dos acessórios...