Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

Nova Post
iPhone 13 Pro ProMotion Destaque
(Imagem: Apple)

Apple

Esqueça tudo o que já te disseram, o ProMotion é a melhor coisa que aconteceu com o iPhone ultimamente

Saiba mais sobre a tela ultrarrápida do iPhone 13 Pro e por que, ao contrário do que dizem, o ProMotion é, talvez, o seu maior trunfo.

Antes de adquirir o iPhone 13 Pro, em março deste ano, uma das coisas que mais ouvia sobre o smartphone da Apple é que não deveria comprá-lo apenas pela tela ProMotion, de 120Hz.

O motivo? Bem, segundo as análises que li, “o iOS já tem animações rápidas o suficiente”. Assim, portanto, fui convencido de que tela com alta taxa de atualização seria desnecessária no smartphone da Apple.

Felizmente, como o motivo de minha escolha não era apenas o display, mas sobretudo o pacote de câmeras, juntamente ao restante do que o aparelho oferece, acabei comprando o 13 Pro mesmo assim. O meu arrependimento? Somente não ter escolhido um armazenamento maior, visto que meus 128GB estão voando.

Bem, sem mais delongas, visto que o objetivo desse texto aqui é falar sobre a tela dos iPhones 13 Pro e Pro Max, ressalto que, após três meses de uso, acredito que o recurso foi a melhor coisa que aconteceu com o iPhone nos últimos anos, e explicarei as razões que me levaram a isso a seguir.

Primeiramente, o que é o ProMotion?

1st gen iPad Pro Promo Image
(Imagem: Apple)

Introduzida inicialmente em 2017, no primeiro iPad Pro, a tela ProMotion, em termos técnicos, tem a capacidade de atualizar a imagem da tela até duas vezes mais rápido que um display convencional.

Como assim?

Na prática, um monitor comum atualiza a imagem exibida na tela até 60 vezes por segundo. Sim, muito embora os pixels que formam a imagem pareçam estáticos, a verdade é que eles estão pulsando – e de forma tão rápida que seus olhos sequer conseguem perceber.

O motivo por traz dessa intermitência tem a ver com a exibição de imagens em movimento. Veja, como você deve bem saber, uma imagem em movimento nada mais é do que várias imagens estáticas, exibidas rapidamente em sequência, de forma a criar a ilusão de movimento na tela.

Ao final das contas, uma vez que a tela seja capaz de se atualizar mais rapidamente, maior será a fluidez de suas transições aos nossos olhos.

Por sua vez, a velocidade em que todo esse movimento ocorre impacta muito o conteúdo exibido. Enquanto a maioria dos conteúdos em vídeo e animação são exibidos em 30 ou 60 quadros por segundo, os filmes, por exemplo, são reproduzidos em 24 quadros segundo. E por mais que você não se lembre da diferença agora, acredite: ela existe.

No passado, inclusive, dadas as limitações dos métodos de gravação existentes, os filmes eram gravados com 10 a 18 quadros por segundo. Posteriormente, durante a exibição, a rodagem dos rolos era acelerada no projetor, de forma que tudo ficava meio cômico – sim, os clássicos de Charlie Chaplin não são engraçadinhos apenas por sua genialidade, a aceleração dos quadros também causava essa sensação.

OK. Mas e o ProMotion?

Pois é, esse era o tema da nossa conversa. No caso dos iPads Pro, o objetivo da inserção do ProMotion era muito mais prático do que apenas a melhoria das transições do sistema ou, ainda, a exibição de conteúdos em 120 quadros por segundo.

Na prática, como o iPad Pro se propõe a ser o mais próximo de um computador da Apple com tela touchscreen, a empresa se dedicou em tornar esse método de inserção um dos seus diferenciais. Por esse motivo, outro aspecto bastante promovido com o tablet foi a Apple Pencil, lápis que permite desenhar e realizar diversas outras atividades no dispositivo com muito mais precisão.

Pois bem, a fim de criar uma sensação realista com o uso do lápis na tela do iPad Pro, a Apple não só precisou aumentar a taxa de atualização do display, como também incrementou a velocidade em que a superfície touchscreen detecta os toques do usuário. Dessa forma, enquanto a tela se atualiza até 120 vezes por segundo, o digitizer, que registra os toques no vidro, se atualiza até 240 vezes por segundo.

Isso é necessário porque de nada adianta que a tela execute seus movimentos rapidamente se, por outro lado, a detecção dos comandos do usuário sofrer algum delay.

O maior problema de um display assim? A autonomia

iPhone 13 Pro gaming demo
(Imagem: Apple)

Um display IPS com o do primeiro iPad Pro funciona da seguinte forma: no fundo, há a retroiluminação, um conjunto de LEDs que se acende nos pontos mais claros da imagem na tela. Já o cristal líquido, efetivamente, fica algumas camadas acima desse painel, e é responsável por controlar quais pixels estarão ativos formando a imagem.

Para fins da nossa explicação aqui, é interessante comparar o cristal líquido à fachada de um prédio. Isso porque, num display desse tipo, cada pixel funciona como uma janela.

Enquanto a janela está aberta, a luz é capaz de passar e contribuir na formação da imagem. Já quando a janela é fechada, o pixel retém a luz dos LEDs da retroiluminação, tornando a imagem escura.

Considerando esse princípio, não é difícil imaginar que, além da complexidade técnica de se construir janelas (pixels) que se movimentem duas vezes mais rápido, outro empecilho para esse tipo de display é o alto consumo energético.

A solução para isso, portanto, é dar a capacidade de o display adaptar a velocidade com que se atualiza com base no conteúdo exibido. Ou seja, se a tela exibe um conteúdo estático por alguns segundos, reduzir sua taxa de atualização para uma fração dos 120Hz pode ser muito benéfico à autonomia. E é justamente o que a Apple fez.

No primeiro iPad Pro, a tela era capaz de reduzir sua taxa de atualização para 48 ou 24Hz. Já no atual, segundo a própria Apple, o display é capaz de escolher entre diversas taxas, mas que também variam de 24 a 120Hz.

Mas por que o ProMotion é tão revolucionário no iPhone, então?

iPhone 13 Pro Promotion demo
(Imagem: Apple)

Outro diferencial da tela ProMotion está na integração com o iOS: mesmo em aplicativos de terceiros, o sistema é capaz de equilibrar a velocidade do display para priorizar autonomia e experiência. Ele faz isso variando de 10 a 120Hz.

Já no iPhone, as razões de ser do ProMotion mudam de figura. Aqui, o objetivo não é tornar a tela mais responsiva ao toques do lápis, mesmo porque o iPhone sequer é compatível com ele. Na verdade, para além, inclusive, de tornar as animações e o uso do smartphone mais fluido, o ProMotion apresentado no iPhone 13 Pro tem outro objetivo mais nobre:

Economizar energia.

Sim, é isso mesmo. Em 2020, quando lançou a linha Galaxy S20, a Samsung fez uma escolha: oferecer a tela com taxa de atualização fixa, sendo possível escolher entre 60 ou 120Hz. Como ex-proprietário de um Galaxy S20+, posso dizer que esse era um dos recursos mais legais do aparelho, sobretudo frente ao seu antecessor imediato, o Galaxy S10.

No entanto, ainda que tivesse uma bateria de quase 5.000mAh, a autonomia do S20+ era pífia. Não por acaso, foi com ele que decidi migrar para o meu primeiro iPhone, o 12.

Enfim, fiz essa comparação para demonstrar que, à época, nem mesmo a Samsung, responsável por boa parte das telas que vemos nos mais variados dispositivos eletrônicos, foi capaz de entregar um display OLED com taxa de atualização variável.

Analisando por essa ótica, fica, inclusive, mais fácil entender por que um recurso comum desde 2019 só apareceu no iPhone em 2021. Afinal, o maior objetivo do ProMotion na tela do iPhone não é aprimorar as animações do sistema, mas sim ser eficiente, algo que só seria possível com uma tela OLED de atualização variável.

Por sua vez, dada a enorme demanda por novos iPhones, é possível que nem mesmo a Samsung fosse capaz de suprir as necessidades da Apple naquele ano, motivo pelo qual o recurso não apareceu no iPhone 12 Pro, apenas no modelo seguinte.

Hoje, o iPhone 13 Pro e o iPhone 13 Pro Max têm algumas das melhores autonomias de bateria do mercado, e isso não devido à capacidade avantajada, mas sim ao uso inteligente de um dos recursos que mais consome energia, o display.

Como resultado, os 4352mAh do iPhone 13 Pro Max, ainda que sejam menores que os 5.000mAh do meu antigo S20+, dão um banho de autonomia na maioria dos dispositivos na mesma faixa de preço.

Que venham mais telas ProMotion!

Relacionado:

Leia também:

Apple

The Miseducation of Lauryn Hill é considerado o maior álbum de todos os tempos pelos curadores do Apple Music. Confira o top 10.

Apple

Os novos iPads da Apple começam a partir de R$ 6.999. Confira as novidades do iPad Pro M4, iPad Air M2 e dos acessórios...