Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

Nova Post
Microsoft Anuncia Fim Do Internet Explorer Após 26 Anos De Lançado

Tecnologia

Microsoft anuncia fim do Internet Explorer após 26 anos de lançado

Navegador que dominou o acesso à internet nos anos 2000 já não está presente no Windows 11; saiba o que deve acontecer com usuários agora.

Tudo tem um fim, e o fim do Internet Explorer, um dos mais saudosos navegadores de internet do mundo, chegou nesta quarta-feira (15). Após 26 anos, desde sua estreia em agosto de 1995, no Windows 95, a Microsoft finalmente encerrou o suporte ao software, redirecionando a pequena parcela de seus usuários para o Edge.

A verdade é que, muito embora a informação oficial só tenha chegado agora, o fim do Internet Explorer já estava dado desde 2015, quando a empresa lançou o Windows 10. Neste sistema operacional, o Microsoft Edge, baseado no mesmo motor de navegação do Chrome, é o software padrão para acesso à web.

Desde aproximadamente a mesma época, a Microsoft também recategorizou o Internet Explorer, definindo-o como uma solução de compatibilidade.

Isso foi necessário porque, naquele tempo, além de ainda ser usado por um número considerável de usuários, majoritariamente aqueles com PCs antigos, o navegador também era empregado noutros sistemas baseados em Windows, como caixas eletrônicos e terminais do gênero.

Com o passar dos últimos sete anos, no entanto, o abandono da Microsoft ao IE surtiu o efeito desejado, fazendo com que muitos deixassem o programa de vez.

Conforme dados da consultoria StatsCounter, consolidados em maio de 2022, o navegador corresponde atualmente a míseros 0,64% dos acessos à internet. Por outro lado, concorrentes como Chrome e o próprio Microsoft Edge dominam fatias de 64,95% e 3,99%, respectivamente.

Apesar de estar morrendo efetivamente, o espírito do Internet Explorer 11, a última versão do software, lançada em 2013, segue vivo, inclusive no Windows 11.

Desde 2019, o Microsoft Edge tem um modo de compatibilidade que emula o motor de navegação do Internet Explorer, a fim de garantir uma boa experiência em sites antigos ou mal-otimizados para os browsers atuais.

O fim do Internet Explorer é oficial, mas o que acontece com seus usuários a partir de agora?

No último dia 22 de maio, a Microsoft prestou suas homenagens ao Internet Explorer com o vídeo acima, anunciando que seu futuro está no Edge.

Ao menos por enquanto, a Microsoft não vai bloquear o funcionamento do IE, tampouco remover o aplicativo a força das máquinas dos usuários. No entanto, a empresa afirma que deve tomar este último passo em breve, a partir de uma atualização via Windows Update (isto é, nas versões do Windows que ainda recebem atualizações).

Para aqueles que insistirem em utilizar o IE, a empresa também deve passar a exibir um aviso, indicando que o futuro da navegação é o Microsoft Edge.

“A partir dos próximos meses, abrir o Internet Explorer irá redirecionar os usuários para o Microsoft Edge com o modo de compatibilidade do IE. Os usuários ainda poderão visualizar os ícones do IE em seus dispositivos, mas se eles clicarem, o Microsoft Edge será aberto, no modo de compatibilidade. Eventualmente, o Internet Explorer será desabilitado permanentemente a partir de uma atualização futura do Windows Update, que removerá o ícone completamente.”

Microsoft, em seu comunicado sobre o fim do Internet Explorer

No caso do Windows 11, os usuários não precisarão se preocupar com o fim do Inteernet Explorer, uma vez que o sistema é o primeiro em 20 anos a não contar com o navegador pré-instalado.

Apesar disso, conforme explicado acima, o Micosoft Edge deve continuar suportando o modo de compatibilidade do IE até 2029.

Por mais que pareça exagero esperar tanto, vale lembrar que, sobretudo nos sites institucionais de órgãos públicos, o IE ainda é o mais indicado para uma experiência aceitável. Isto é, quando não acaba sendo mandatório.

Tal como destaca o jornal japonês, Nikkei, sites de agências governamentais do Japão devem ter dificuldades para contornar o problema no tempo necessário. Apesar disso, não há como dizer que o fim do Internet Explorer não era um fato anunciado há quase uma década.

Relacionados:

Leia também:

Análise

Veja como o Apple Fitness+ transformou um dos treinos mais chato da academia, a esteira, em uma das atividades mais proveitosas do meu dia.